Considerações sobre o conceito do blog

O objeto primeiro deste blogue é conceituar a natureza da crise econômica, política e social em curso, através da análise do conteúdo intrínseco da negatividade da forma valor, relação social abstrata que se estabelece e se reproduz através da mercadoria e do dinheiro (mercadoria especial e equivalente geral), suas expressões materializadas, bem como a necessidade inadiável de sua superação como instrumento de emancipação humana e contenção dos crimes ecológicos contra a humanidade e o planeta Terra.

Recomendamos a leitura do artigo "Nascimento, vida e morte da forma valor" como forma
de entendimento do conceito do blogue.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

A letra dos hinos

Na copa do mundo de futebol de 2014 que se realizou no Brasil tivemos oportunidade de conhecer as letras dos hinos dos muitos países que dela participam. O que chama a atenção é o conteúdo belicoso de tais letras, nas quais estão inseridas palavras como guerra, morte, sangue, defesa, etc. Tal vocabulário decorre de um fato inconteste: os países se formaram dentro de uma disputa territorial ou colonial na qual o vencedor geralmente obtinha a vantagem sobre os vencidos, e as independências nacionais foram obtidas em lutas que não significaram a abolição do caráter belicista de cada país independente. No momento em que escrevemos esse artigo explode mais uma vez o conflito entre judeus e palestinos com chuvas de mísseis de lado a lado; na Ucrânia se desenrola um conflito separatista; na África, no Iraque, e em vários pontos do mundo árabe grupos políticos religiosos e étnicos se digladiam entre si pelo poder territorial nacional, e a lista de conflitos seria intensa se aqui nós citássemos todas elas.


quarta-feira, 2 de julho de 2014

Comentário sobre um comentário

Comentário sobre um vídeo-comentário no youtube do Pe. Paulo Ricardo de Azevedo Junior intitulado “Manifestante, você está sendo manipulado!”



segunda-feira, 2 de junho de 2014

A Produção Solidária

Quando se admite (depois de muito esforço do pensar) que é possível produzir bens e serviços fora da intermediação feita pelo dinheiro, a primeira pergunta que se faz é: como alguém teria motivação para produzir algo a ser consumido por outrem sem ganhar dinheiro? Primeiramente se deve observar que essa indagação é fruto de um conceito sedimentado nas mentes humanas de que o ser humano somente produz algo dentro de um interesse individual e sem jamais pensar no interesse coletivo. O conceito de que o interesse individual de ganhar dinheiro é o único instrumento de motivação para a produção somente é verdadeiro dentro da forma de relação social estabelecida a partir da produção de mercadorias, na qual se oportuniza a acumulação individual da riqueza abstrata em detrimento de toda a sociedade; a humanidade tem sido educada dentro desse conceito e justamente por isso não consegue pensar solidariamente.

sexta-feira, 30 de maio de 2014

É Possível Se Produzir Sem Dinheiro?

Pensar em uma produção de bens e serviços necessários à satisfação do consumo humano fora da remuneração em dinheiro é algo quase impossível; mais do que isso, é impensável. Tal ocorre porque durante três milênios, período em que surgiu o escambo, a troca quantificada, modo de relação social que surgiu em substituição à partilha, embrião da forma-valor, a idéia de mensuração dos objetos úteis ao consumo humano através de um quantitativo numérico denominado valor de troca foi paulatinamente tomando conta de todas as relações sociais até chegar a sua forma desenvolvida denominada capitalismo.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

O Mal é Sempre Mau

Há um adágio popular que diz “há males que vêm para o bem”. Apenas episodicamente isso pode ocorrer, mas nunca de maneira socialmente abrangente e permanente. Um enguiço na estrada pode evitar um desastre que ocorreria acaso a viagem não tivesse sido paralisada, mas isso não significa que um enguiço seja coisa boa. Tal conceito contrasta com a idéia de que “o pau que nasce torto morre torto”, porque esta última é uma metáfora que diz respeito à imutabilidade da natureza intrínseca do que é negativo. Podemos superar a negatividade, transcendê-la, mas não podemos aceitá-la como algo que possa ser uma contribuição positiva.

terça-feira, 27 de maio de 2014

Se Não Tivesse Sido Assim...

Como seria a terra chamada Brasil se quando a “moderna civilização européia” que aqui chegou há 514 anos, ao invés de ter um sentimento de exploração excludente das riquezas aqui existentes, tivesse um sentimento de convivência harmoniosa com os indígenas que aqui habitavam lhes ensinando os seus saberes e com eles compartilhando os saberes deles?

segunda-feira, 26 de maio de 2014

O Recrudescimento do Arcaico

Na antiguidade, e até em tempos não tão antigos assim se considerarmos os milhões de anos da evolução humana sobre a face da terra, o sacrifício de vidas animais como forma de purgação de uma culpa auto-atribuída era prática comum. Tais rituais macabros dentro das sociedades primitivas que desconheciam a troca quantificada (a forma-valor), ou mesmo nas sociedades que se iniciavam em relações de troca que se configurariam como pré-capitalistas, ocorriam de forma simbólica, e por motivações meramente exotéricas.